Investigadores do Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial, no Porto, desenvolveram um sistema que, pela medição de fendas e defeitos de estruturas metálicas de aviões e automóveis, prevê o "tempo de vida dos materiais".

Em entrevista à agência Lusa, Paulo Tavares, um dos investigadores envolvidos na criação da tecnologia, explicou que o sistema desenvolvido "reduz o processo de avaliação" dos materiais e estruturas metálicas que compõem, por exemplo, carros e aviões, tornando todo o processo "mais automático".

Para testar os materiais e ter uma previsão da sua 'vida', sujeitamos as estruturas a ensaios mecânicos, em que o material é testado com frequência elevada", disse, adiantando que este tipo de ensaios são "vulgares" para empresas como a Airbus.

Um avião quando descola e aterra tem um ciclo de carregamento e descarregamento, ou seja, um ciclo de fadiga, mas existem outros processos, por exemplo, um automóvel sofre fadiga cada vez que se trava, acelera ou esforça determinado material", explicou.

Neste sentido, a equipa do Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI) desenvolveu um sistema que, através de uma câmara e "condições de iluminação muito favoráveis", permite que as fendas ou defeitos dos materiais sejam rapidamente detetados.

Nós queremos é saber quão preocupantes essas fendas são", frisou, adiantando que o sistema permite "antecipar o número de ciclos de carga a que os materiais podem ser sujeitos até falharem e saber qual o seu tempo de vida estimado".

Segundo o investigador, setores como o aeronáutico e automóvel são os que podem beneficiar com esta inovação que já tem uma patente nacional, isto porque os materiais que utilizam estão "bastante sujeitos" a este desgaste.

À Lusa, Paulo Tavares adiantou que neste momento a equipa do INEGI está a colaborar com um laboratório do Rio de Janeiro, no Brasil, para "adaptar" o sistema a alguns projetos que estão a ser desenvolvidos pela instituição.

Esta é uma invenção rentável, na medida em que podemos ajudar outros a homogeneizar os seus ensaios e torná-los mais rápidos", concluiu.