Um novo estudo associa períodos de menstruação irregulares ao risco de morte precoce.

Esta investigação, publicada na BMJ, uma das mais influentes publicações sobre medicina do mundo, envolveu mais de 79.500 mulheres sem histórico de problemas de saúde: sem doenças cardiovasculares diabetes ou cancro.

As mulheres foram divididas em três grandes grupos: dos 14 aos 17 anos, dos 18 aos 22 e dos 29 aos 46 anos. Os investigadores, especialistas da Universidade de Harvard, da Universidade Estadual do Michigan, e da Universidade para a Ciência e Tecnologia de Wuhan, na China, acompanharam os períodos menstruais destas mulheres durante 24 anos.

O estudo concluiu que as mulheres que registaram ciclos menstruais irregulares registaram taxas de mortalidade mais altas, comparativamente com mulheres da mesma idade, mas que apresentaram ciclos menstruais regulares.

O relatório especifica que as mulheres entre os 18 e os 22 anos com ciclos menstruais de 40 dias ou mais têm uma maior probabilidade de morte prematura, isto é, de morrerem antes dos 70 anos.

Ainda de acordo com o relatório, os ciclos menstruais longos e irregulares aumentam o risco de doenças como o cancro dos ovários e a diabetes Tipo 2.

Este estudo é um passo em frente no conhecimento que existe sobre a saúde da mulher. Levanta muitas questões interessantes para futuras investigações”, sublinhou Jacqueline Maybin, ginecologista e investigadora na área da Saúde Reprodutiva na Universidade de Edimburgo, na Escócia.

Sofia Santana