Um telescópio construído na África do Sul forneceu a imagem mais clara do centro da Via Láctea, fornecendo novos detalhes sobre a nossa galáxia. 

"É a imagem mais clara que já tivemos do centro da nossa galáxia", afirmou o cientista Fernando Camilo, citado pela CNN: 

O radiotelescópio MeerKAT começou a ser construído na África do Sul há dez anos e é considerado o mais avançado do mundo.

Foi oficialmente lançado em julho e tornou a África do Sul um destino fundamental para a radioastronomia. 

Os cientistas usam este telescópio para estudar a atividade do hidrogénio e a atividade de pulsares, aprofundando, assim, conhecimentos sobre a formação do Universo.

Este telescópio tem 64 antenas parabólicas, ligadas ao longo de cerca de oito quilómetros, numa região semiárida e pouco povoada, onde as interferências de sinal são praticamente inexistentes.   

Cada antena tem cerca de 19 metros de altura e pesa o equivalente a sete elefantes africanos da savana. 

O número elevado de antenas e a grande sensibilidade de cada uma delas permitiram aos cientistas o registo de imagens completamente inovadoras.  

Farhah Yusef-Zadeh, astrólogo especialista da Universidade do Noroeste, em Illiinois, nos Estados Unidos, admitiu, em declarações à CNN, que nunca pensou que fosse possível  ver imagens tão detalhadas.   

Eles fizeram tudo bem.(...) Nunca pensei que poderíamos ver estes detalhes.

O MeerKAT, que foi foi construído ao longo de dez anos e teve um custo de cerca de 270 milhões de euros, foi um investimento do governo sul-africano. A sua construção esteve, maioritariamente, a cargo de empresas locais. 

Este projeto é uma componente fundamental para a primeira fase do projeto Square Kilometer Array, que pretende construir o maior radiotelescópio do mundo. 

Trata-se de uma iniciativa que inclui esforços de 12 países e que vai envolver 3.000 antenas parabólicas desenhadas para fotografar o céu 10.000 vezes mais rápido do que qualquer outro telescópio.