E se pudesse fazer com que o seu cão ou o seu gato "vivessem para sempre"? É isso mesmo que propõe uma empresa de biotecnologia chinesa. A Sinogene oferece serviços comerciais de clonagem de animais domésticos. 

A Sinogene tornou-se mediática, em Maio do ano passado, quando clonou com sucesso um beagle geneticamente modificado. Um mês depois, lançou serviços de clonagem comercial.

O primeiro animal doméstico a ser clonado através deste serviço, foi, na verdade, uma celebridade do cinema e da televisão. O cão Juice, que estrelou dezenas de filmes e produções da televisão chinesa tem agora um clone, chamado Little Juice.

Juice e Little Juice (REUTERS)

O cachorro original, também conhecido como Guozhi em mandarim, é um rafeiro de nove anos, que foi castrado quando ainda era bebé e foi resgatado da rua. Não poderia, por isso, reproduzir-se de outra forma. Com Juice a envelhecer e a perder faculdades, incluindo as profissionais, o treinador de animais He Jun procurou a Sinogene.

O serviço não é barato. Clonar um cão custa cerca de 68 mil euros. No caso de Juice, o dono espera obter retorno, tornando o Little Juice um profissional do cinema e da televisão.

Para clonar Juice, a Sinogene colheu amostras de pele da barriga do cão, isolou seu ADN e fertilizou um óvulo, que foi inserido cirurgicamente no útero de uma cadela beagle. Little Juice tem agora dois meses e tem boa saúde.

A clonagem de animais na China verifica avanços mais relevantes do que projetos semelhantes no Ocidente, enfrenta um número relativamente menor de barreiras regulatórias. Embora a China tenha regulamentos sobre o uso de animais em pesquisas de laboratório, não existem leis que abordem explicitamente a clonagem de animais.

No início deste ano um laboratório de Xangai produziu os primeiros clones de macacos do mundo. Mais recentemente e, num caso mais controverso, o cientista He Jiankui, da Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul da China, afirmou ter modificado geneticamente os embriões de duas meninas gémeas.