A Comissão Europeia enviou esta sexta-feira uma comunicação de objeções à ‘gigante’ tecnológica Apple sobre as regras da App Store para fornecedores de ‘streaming’ de música, por considerar existir abuso de posição dominante, processo que poderá resultar numa multa.

A Comissão Europeia informou a Apple da sua opinião preliminar, de que [a tecnológica] distorce a concorrência no mercado de ‘streaming’ de música ao abusar da sua posição dominante na distribuição de aplicações de ‘streaming’ de música através da sua App Store”, informa o executivo comunitário em comunicado.

No seguimento de uma queixa apresentada pelo serviço digital de música Spotify e de uma investigação aprofundada iniciada em junho de 2020, a Comissão Europeia divulga hoje a sua visão, indicando que “discorda da utilização obrigatória do próprio mecanismo de compra de aplicações da Apple imposto aos criadores de aplicações de ‘streaming’ de música para distribuir as suas aplicações através da Apple App Store” no Espaço Económico Europeu.

Além disso, “a Comissão está também preocupada com o facto de a Apple aplicar certas restrições aos criadores de aplicações que os impedem de informar os utilizadores de iPhone e iPad sobre possibilidades de compra alternativas e mais baratas”, assinala a instituição.

O artigo 102 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia proíbe o abuso de posição dominante no mercado, podendo estar em causa uma violação das regras comunitárias de concorrência, que leva a punições como multas.

Enquanto decorre a investigação aprofundada sobre as regras da App Store, o envio desta comunicação traduz-se numa notificação por escrito à Apple das objeções levantadas pela instituição contra a tecnológica, que terá agora de responder e apresentar a sua defesa.

Dada a complexidade do assunto, não existem prazos legais para concluir a investigação.

Citada pela nota de imprensa, a vice-presidente executiva da instituição com a pasta da Concorrência Margrethe Vestager vinca que lojas de aplicações como a App Store “desempenham um papel central na economia digital de hoje” por permitirem “fazer compras, aceder a notícias, música ou filmes através de aplicações em vez de visitar ‘websites’”.

“A nossa conclusão preliminar é que a Apple é um ‘gatekeeper’ [intermediário de conteúdos] para utilizadores de iPhones e iPads através da App Store, [mas] com a Apple Music também compete com fornecedores de ‘streaming’ de música”, assinala.

Isto significa que, “ao estabelecer regras estritas na App Store que prejudicam os serviços de ‘streaming’ de música concorrentes, a Apple priva os utilizadores de escolhas de ‘streaming’ de música mais baratas e distorce a concorrência”, acrescenta a responsável.

Segundo Margrethe Vestager, “isto é feito através da cobrança de comissões elevadas em cada transação na App Store para os concorrentes e proibindo-os de informar os seus clientes sobre opções alternativas de subscrição”.

Nos últimos anos na tutela da Concorrência da Comissão Europeia, Margrethe Vestager tem avançado com pesadas multas às gigantes tecnológicas norte-americanas, incluindo a Apple.

Esta investigação, iniciada em junho de 2020, surgiu surge após queixas feitas a Bruxelas pelo Spotify, que denunciou o impacto das regras da App Store na concorrência.

As regras da Apple para a App Store ditam que os utilizadores de dispositivos como iPhone e iPad só podem descarregar aplicações originais através desta loja, limitando assim a disponibilização de outros conteúdos e até a preços mais baixos.

/ RL