Espanha já está a enfrentar uma “segunda vaga” da pandemia do novo coronavírus, defende um estudo desenvolvido por um hospital e uma universidade da Catalunha conhecido este domingo, alertando que esta pode chegar aos outros países europeus nos próximos dias.

Conhecido este domingo, o estudo, datado de 2 de setembro (passada quarta-feira), é assinado pelo Hospital Universitário Germas Trias i Pujol, de Badalona (Barcelona), e pela Universidade Politécnica da Catalunha e foi entretanto enviado à Comissão Europeia.

Intitulado "Análise e previsão da covid-19 para a União Europeia (UE) – Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA) – Reino Unido, na tradução em português”, o estudo adverte as autoridades europeias de que o atual momento é crucial para travar uma segunda vaga.

Caso nada seja feito nesse sentido, advertem os investigadores, a Europa poderá regressar a uma situação semelhante à de março, quando eclodiu uma transmissão descontrolada do novo coronavírus.

No documento, os investigadores questionam-se por que razão Espanha está a liderar o número de novos casos de infeção nesta “segunda vaga”, uma vez que é um país com altas temperaturas e com fortes costumes culturais que privilegiam as atividades ao ar livre.

Os dois centros de investigação da comunidade autónoma espanhola da Catalunha explicam que “o efeito dos bares e dos restaurantes pode ter grandes repercussões na evolução das epidemias”, espaços onde as medidas de prevenção são muito menos respeitadas pelas pessoas do que em outras circunstâncias, nomeadamente o distanciamento físico e a utilização de máscaras de proteção individual.

O relatório menciona que a taxa de contágio é 20 vezes mais baixa em espaços ao ar livre quando comparada com a incidência em espaços fechados.

Segundo os últimos dados oficiais, divulgados na sexta-feira pelo Ministério da Saúde espanhol, Espanha contabilizou nesse dia 10.476 novos casos da doença covid-19, um aumento de quase 1.500 em relação a quinta-feira, elevando para 498.989 o número de infetados desde o início da pandemia.

Para os investigadores, a chave para compreender a atual situação em Espanha passa pelo facto de o país ter levantado as restrições à mobilidade, especialmente entre províncias, antes que os outros países da UE, numa altura em que “a taxa de casos positivos podia ser três vezes superior ao que estava a ser efetivamente detetado”.

E como tal, frisaram os investigadores, a atividade social aumentou significativamente.

Com perto de meio milhão de casos de infeção confirmados desde o início da crise pandémica, Espanha segue distanciada em relação a outros países europeus, como é o caso de Itália (mais de 277 mil casos), França (324.777), Reino Unido (347.152) ou Portugal (60.258), de acordo com os dados mais recentes.

Números citados pela agência espanhola EFE, e referenciados no estudo, indicam que Espanha também se distancia de outros países europeus quando analisada a incidência de novos casos nos últimos 14 dias por 100 mil habitantes, com 216,8 infeções, à frente de França (98,2), da Roménia (69,9), da Ucrânia (65,7), da Bélgica (49,2) e dos Países Baixos (40,4).

Espanha também liderava, em 01 de setembro, o parâmetro da incidência total acumulada por cem mil habitantes na Europa, com 1.002 infetados, seguida da Suécia (837), Bélgica (737), Portugal (571), Roménia (461), Itália (447), França (438), Países Baixos (415) e Alemanha (292), de acordo com o mesmo estudo, citado pela EFE.

O alerta feito no estudo tem já, alias, tradução em vários países europeus que estão a testemunhar um aumento do número de infetados à medida que a sociedade reabre após o confinamento e existe uma maior circulação de pessoas.

Por exemplo, França registou, na passada sexta-feira, 8.975 novos casos de covid-19 um recorde absoluto desde o início da pandemia no país.

Já hoje as autoridades do Reino Unido anunciaram 2.988 novas infeções pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, o maior número diário de novos casos desde 23 de maio.

No sábado, Portugal registou mais 486 casos novos de covid-19, um número que não era tão alto desde o início do desconfinamento.

A pandemia da doença covid-19 já provocou pelo menos 880.396 mortos e infetou mais de mais de 26,9 milhões de pessoas em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ AG