A vacina desenvolvida pela farmacêutica Pfizer, em parceria com a BioNTech, reduz em cerca de 94% dos casos sintomáticos da covid-19. Esta é a conclusão de um ensaio clínico de grande escala desenvolvido em Israel, numa altura em que mais de 27% dos mais de nove milhões de habitantes já recebeu as duas doses da vacina.

O estudo levado a cabo pela Clalit, uma organização de serviços de saúde do país, que analisou os dados de 1,2 milhões de pessoas registadas.

Para as conclusões retiradas do estudo, os investigadores compararam o efeito em 600 mil pessoas imunizadas e noutras 600 mil que não receberam a injeção.

Este é o primeiro estudo em larga escala sobre a eficácia da vacina desenvolvida pela Pfizer, apresentando resultados animadores no combate à covid-19.

Anteriormente, a Universidade de Harvard tinha concluído por uma eficácia de 92% nos casos mais graves do novo coronavírus. Agora, e segundo a Clalit, essa eficácia estará entre os 91% e os 99% de eficácia, sendo o mais provável que fique no meio desse intervalo, rondando os 94% apresentados.

A investigação realizou-se em dois grupos diferentes. Num deles havia 170 mil pessoas com mais de 60 anos, enquanto outro grupo tinha 430 mil pessoas com idades entre os 16 e os 59 anos.

Esta é também a primeira vez que se apresentam resultados sólidos da vacina em pessoas com mais de 70 anos.

A vacina da Pfizer é uma das três já aprovadas pela União Europeia, tendo sido a primeira a ser aplicada em Portugal, ainda no ano de 2020.

António Guimarães