Uma inflamação da espinal medula num voluntário britânico terá sido a reação adversa na origem da suspensão dos ensaios clínicos da vacina da AstraZeneca contra a covid-19. A suspensão foi anunciada esta terça-feira e a justificação dada foi uma “reação inesperada” num voluntário.

O jornal The New York Times adianta, esta quarta-feira, que o voluntário desenvolveu mielite transversa, uma síndrome inflamatória da espinal medula, que pode manifestar-se através de sintomas como febre, fraqueza muscular, perda de sensibilidade e disfunção autonómica. A mielite transversa pode ainda provocar fortes dores de costas e, em casos extremos, a paralisia.

Embora seja comum em pacientes com doenças como esclerose múltipla e certas infeções virais e bacterianas, a mielite transversa pode também, em casos extremamente raros, ser provocada por certos medicamentos ou no caso de administração de vacinas.

Em média, um terço dos pacientes recupera totalmente, um terço fica com sequelas ligeiras e outro terço com algum tipo de sintoma severo.

A farmacêutica britânica AstraZeneca, que está a desenvolver uma potencial vacina contra o novo coronavírus em conjunto com a Universidade de Oxford, estava já numa fase avançada de ensaios clínicos em larga escala.

De acordo com um porta-voz da empresa, citado pelo site de notícias de saúde Stat News, a suspensão dos ensaios clínicos trata-se de "um procedimento normal" para "permitir a revisão dos dados de segurança".

Na antena da TVI24, o biólogo André Faustino diz que é preciso avaliar esta questão com cautela, nomeadamente para estabelecer uma efetiva reação causal entre a administração da vacina e as reações adversas. O especialista sublinha ainda que é preciso contabilizar quantas pessoas já tinham sido vacinadas com o medicamento da AstraZeneca antes deste voluntário apresentar sintomas adversos.  

No dia 27 de agosto, a Comissão Europeia oficializou a compra de 300 milhões de doses desta vacina.

Num artigo publicado na revista The Lancet, cientistas da Universidade de Oxford afirmaram que os resultados preliminares dos testes à vacina contra a covid-19 mostraram que provocou uma resposta imunitária em centenas de pessoas.

Manuela Micael