A investigadora Elvira Fortunato, criadora do transístor de papel recebe, no sábado, em Bruxelas, a Medalha Blaise Pascal, distinção da Academia Europeia das Ciências atribuída pela primeira vez a um cientista português.

A distinção, na categoria Ciências dos Materiais, será entregue na sede da academia, na capital belga, pelas 11:00.

A instituição europeia justifica a atribuição da medalha à investigadora e professora portuguesa com a "excecional originalidade e criatividade da sua investigação em Física e Ciência dos Materiais".

Elvira Fortunato é diretora do Centro de Investigação em Materiais (CENIMAT), da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Papel como material de eletrónica

A Medalha Blaise Pascal, concedida desde 2003 em diferentes áreas científicas, visa reconhecer o importante contributo de alguém para a ciência e a tecnologia, bem como para a promoção da excelência na investigação e educação.

Na sua página na internet, a Academia Europeia das Ciências realça que dispositivos como o transístor de papel revelaram um desempenho eletrónico excecional, enquanto componentes semicondutores ativos, podendo ser usados em aplicações em que é exigida uma elevada condutividade elétrica.

O uso do papel como um material de eletrónica, barato e reciclável, pode ser aplicado, por exemplo, em embalagens 'inteligentes' de medicamentos ou alimentos, ou mesmo em bilhetes de avião.