A China iniciará, em 2019, a construção de uma estação espacial própria, um programa que pode avançar depois do êxito alcançado pela nave de carga Tianzhou 1, lançada na semana passada, anunciou esta sexta-feira o diretor do programa espacial chinês, Wang Zhaoyao.

A nave Tianzhou 1 concluiu na quinta-feira o processo de recarga de combustível do laboratório espacial Tiangong 2, ao qual se atrelou no passado sábado, dois dias depois do seu lançamento.

Esta recarga, que se prolongou durante cinco dias, confirmou o "grande êxito da missão", afirmou Wang, citado pela imprensa chinesa.

Os responsáveis pelo programa espacial chinês decidiram assim divulgar que o início da construção da estação espacial será em 2019.

Segundo os nossos planos, vamos levar a cabo a montagem e construção da estação espacial tripulada chinesa, entre 2019 e 2022", anunciou Wang.

Uma estação espacial com presença permanente de tripulantes necessita de recargas frequentes de abastecimentos - combustível, alimentos, oxigénio e equipamentos - pelo que antes de começar a construir a instalação, a agência espacial chinesa precisava de estar segura de que poderia enviar reabastecimentos regulares.

O cargueiro espacial chinês pode transportar 6,5 toneladas de abastecimentos, uma capacidade "muito avançada a nível mundial", segundo Wang.

O primeiro módulo da estação, denominado Tianhe 1 terá umas vinte toneladas de peso e será lançado para o espaço por uma nova geração de foguetes, os Longa Marca - 5, concebidos especialmente para o transporte de cargas muito pesadas.

/ AR