É um passo histórico nas viagens comerciais ao espaço. O multimilionário Richard Branson levantou voo esta tarde a bordo do foguetão da Virgin Galactic até aos 90 quilómetros de altitude, para alguns minutos de uma experiência única, sem gravidade e com uma vista fantástica sobre a terra.

A bordo do avião VSS Unity iam seis pessoas, tendo descolado e aterrado com sucesso da base SpacePort America, no deserto do Novo México, nos Estados Unidos.

Após hora e meia de atraso devido às condições meteorológicas, o avião espacial da Virgin descolou perto das 08:40 (15:40 em Lisboa), com cinco funcionários da companhia aérea e o respetivo fundador, o empresário e filantropo britânico Richard Branson.

Os voos da empresa de Branson já com passageiros vão começar para o ano, com bilhetes à volta dos 210 mil euros.

A breve viagem de Branson ao espaço levou mais de duas décadas para sair do papel.

O voo foi transmitido em direto pela Virgin Galactic.

Antes de ser lançado para o espaço, Branson passou a manhã com Elon Musk, o guru da SpaceX - que em maio completou a primeira missão regular à Estação Espacial Internacional.

Acredito verdadeiramente que o espaço pertence a todos nós", afirmou o bilionário citado no comunicado.

"Depois de 16 anos de investigação, engenharia e testes, a Virgin Galactic está na vanguarda de uma nova indústria espacial comercial, uma indústria que deve abrir espaço para a humanidade", concluiu.

Depois deste, estão previstos mais dois testes antes do início dos voos comerciais regulares em 2022, indicou a Virgin Galactic.

Veja como foi construída a nave que transportou Richard Branson.

Richard Branson fundou a Virgin Galactic em 2004 com o objetivo de criar uma nave capaz de levar passageiros a 80 quilómetros acima da terra, distância considerada como a fronteira entre o planeta e o espaço sideral.

A nave que o levou hoje já enfrentou mais de vinte voos de teste, sendo que três alcançaram os limites do espaço (e transformaram cinco funcionários da Virgin em astronautas). 

O senhor da Virgin também corta a meta antes de Jeff Bezos, que anunciou que vai para o espaço a 20 de julho a bordo de um foguetão da própria empresa, Blue Origin.

Redação