O ministro da Defesa vai inaugurar em maio o Centro de Operações Espaciais, nos Açores, no âmbito do programa europeu “Space Surveillance and Tracking (SST)” para detetar objetos em órbita da Terra que possam constituir um perigo real.

No dia 14 de maio estarei nos Açores para a inauguração do centro de operações que coloca Portugal na vanguarda de um sistema europeu e que tem utilidade militar e civil”, disse o ministro João Gomes Cravinho, durante uma visita ao Instituto de Telecomunicações, em Aveiro, com quem o Ministério da Defesa tem uma parceria no domínio do espaço.

O novo centro de operações estará instalado no Parque de Ciência e Tecnologia da ilha Terceira, nos Açores, onde também se encontra localizado o primeiro telescópio português dedicado a operações de vigilância espacial, que entrou em funcionamento em outubro de 2020.

O sistema inclui ainda um segundo telescópio nos Açores e dois telescópios na Madeira, além de um telescópio e um radar em Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra.

Estes equipamentos vão operar de forma automatizada e os respetivos dados deverão ser encaminhados para o centro de operações que irá centralizar toda a informação.

O projeto SST é um programa europeu que tem como objetivo a monitorização, caracterização e seguimento dos objetos na proximidade da Terra, que possam constituir um perigo real, quer para as infraestruturas em sua órbita, como os satélites, quer para a segurança dos cidadãos.

O espaço está cheio de objetos, aquilo a que chamamos o lixo espacial, que põem em causa satélites e que representam um perigo para os nossos sistemas de comunicações e, portanto, é preciso manter controlo sobre aquilo que está no espaço”, disse o ministro.

O programa SST, que o Ministério da Defesa Nacional lidera a nível nacional, visa ainda capacitar Portugal em áreas sensíveis e tecnologicamente diferenciadas, criando e fixando competências que contribuam para uma maior segurança nacional e internacional no espaço, e que reforcem a presença nacional na política espacial europeia.

Além de Portugal, integram o consórcio europeu SST França, Espanha, Reino Unido, Dinamarca, Polónia, Roménia e Itália.

/ MJC