Um ruído de metal raspando em metal, como uma máquina que ora avança, ora emperra - estes foram os sons gravados durante o primeiro test drive do robot Perseverance no solo de Marte, há duas semanas, e são provocados pelas seis rodas dentadas do robot no primeiro 

Se eu estivesse a conduzir o meu carro e ouvisse esses sons ficaria bastante preocupado e chamaria o reboque", comentou Dave Gruel, engenheiro da equipa da NASA que controla o Perseverance. "Mas, se pararmos para pensar no que estamos a ouvir e no local onde foi gravado, faz todo o sentido."

 

“Quando se conduz com estas rodas sobre pedras é realmente muito barulhento", admitiu Vandi Verma, engenheira e condutora de veículo espacial do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, no sul da Califórnia.

Duas versões do clip de áudio foram divulgadas esta semana. A primeira tem mais de 16 minutos de sons brutos e não filtrados do veículo espacial a andar na cratera de Jezero. Nesse, podemos ouvir o ruído provocado pela interação do sistema de mobilidade do robot (rodas e suspensão) com a superfície do planeta e que é acompanhado por um ruído estridente de arranhar. A equipa de engenharia do Perseverance está a avaliar a origem desse ruído, que pode ser, por exemplo, um interferência eletromagnética de uma das caixas eletrónicas do robot. 

A segunda versão é mais curta, apenas um excerto dos sons da gravação bruta:

Este primeiro áudio de uma viagem pela superfície de Marte junta-se a uma lista que cresce todos os dias de sons de Marte transmitidos para a Terra a partir do Perseverance. Um segundo microfone já captou os sons do vento marciano e o ruído do laser atingindo as pedras para revelar detalhes da sua estrutura e composição.

Perseverance - o maior e mais avançado robot enviado a Marte - pousou perto do antigo delta de um rio a 18 de fevereiro e está a recolher amostras de rochas. Todas estas informações ajudarão os cientistas a conhecer melhor a cratera de Jezero, onde os cientistas procuram sinais de vida microscópica.

Maria João Caetano