Amizade, relacionamento profissional, projectos ou ideias comuns e até relacionamentos pessoais estão entre os grandes elementos comuns que, nos últimos anos, têm feito multiplicar a dimensão e importância das redes sociais.

Diariamente, milhões de pessoas em todo o mundo usam as redes sociais para todo o tipo de actividades: de partilha de informação, notícias, fotos ou vídeos; para networking empresarial, para dar a conhecer uma empresa, um projecto ou iniciativa, privada, pública ou social.

Todas as grandes empresas, incluindo as principais de comunicação social, têm hoje canais nas principais redes, criando plataformas multimédia que crescentemente são acedidas fora dos espaços tradicionais, mercê da explosão dos telemóveis de última geração e, mais recentemente, dos tablets.

A história das redes sociais - cujo dia mundial se celebra esta quinta-feira - remonta a 1995, quando nasceu o portal «Classmates.com», usado hoje por 50 milhões de utilizadores, todos com mais de 18 anos, que procuram colegas ou antigos companheiros da escola ou do tempo militar.

Uma ideia replicada nos anos seguintes por todo o tipo de redes, que com maior ou menor dimensão têm vindo a crescer, multiplicando-se em públicos-alvo - grupos profissionais, interesses comuns ou amizade - e crescendo em geografia - há sites especializados em línguas como o chinês ou o espanhol.

De entre as mais conhecidas, a mais antiga chama-se «friendster». Nasceu em 2002, tem hoje mais de 90 milhões de utilizadores e é especialmente popular no sudeste asiático.

A grande explosão de redes sociais começa a partir de 2003, altura em que nasce o Hi5, hoje popular na Ásia, América Latina e ainda em Portugal (tem 80 milhões de utilizadores em todo o mundo).

Segue-se o LinkedIn, hoje com mais de 100 milhões de utilizadores, o Wayn, com 10 milhões, e o Myspace, também com 100 milhões de utilizadores mas uma taxa de crescimento menor do que outras mais recentes.

Este período marca igualmente uma nova diversificação no tipo de redes, com o nascimento da rede delicious (para guardar e partilhar webistes), e a entrada dos grandes nomes da rede, com a Google a inaugurar a Orkut (é a mais utilizada no Brasil e tem 1.000 milhões de utilizadores em todo o mundo).

Em 2004 nasce o facebook, a maior rede do mundo - e também uma das que mais rapidamente cresce (ultrapassou os 750 milhões de utilizadores) - tornou-se igualmente uma das mais valiosas, dando ao seu criador Mark Zuckerberg uma das mais rápidas subidas na lista dos mais ricos do mundo.

A flickr, que nasceu em 2004 para a partilha de fotos, tem já mais de 32 milhões de utilizadores, e o twitter (com mais de 175 milhões de utilizadores) é também das mais referenciadas e com mais rápido crescimento em número de utilizadores.

Ainda que as redes de cariz mundial sejam as mais conhecidas, não são, necessariamente as de maiores utilizadores.

O top 10 das maiores redes do mundo (por utilizador) tem três que são específicas na língua de usam: a Qzone (400 milhões de utilizadores) e a Renren (160 milhões), ambas do mercado chinês e a russa Vkontakte.

Ao mesmo tempo, e ainda que o facebook seja a mais utilizada em grande parte do mundo, há regiões onde se evidencia a importância de outras redes: o caso da Orkut no Brasil e na Índia ou a Tuenti no mercado espanhol e latinoamericano.
Redação / CP