Um jovem perdeu a visão depois de ter passado quase toda a vida com uma dieta à base de comida processada, desde batatas fritas da marca Pringles até a salsichas e fiambre processados, no Reino Unido. O rapaz, agora com 19 anos, sofre de um distúrbio alimentar que lhe impõe restrições alimentares. A perda da vista é tida como irreversível.

A família do adolescente, que é originária de Bristol, pediu para não ser identificada, mas aceitou prestar algumas declarações sobre o caso. Tudo começou quando o jovem tinha 14 anos. A mãe conta que desde novo que o filho não tolera comer alimentos como fruta ou vegetais, o que é consistente com o diagnóstico de transtorno alimentar restritivo evitativo, um distúrbio alimentar caracterizado por uma atitude inflexível sobre a alimentação, no qual são aceites apenas alguns alimentos, sempre os mesmos, com recusa em experimentar outros, segundo o site da CUF.

A primeira vez que nos apercebemos da situação foi quando ele começou a chegar da escola primária com o seu almoço intocado", revelou a mãe ao The Guardian.

Neste caso em concreto, o paciente parece recusar os alimentos com base na sua textura, preferindo alimentos suaves e crocantes, como são caso das batatas fritas, carnes processadas ou pão de forma, algumas das bases da dieta do rapaz.

Esta é uma aversão a certas texturas de comida que ele não tolera mesmo, então as batatas e os crocantes são mesmo as únicas coisas que ele quer e acha que pode comer", explicou o médico Denize Atan, que tem acompanhado o caso no hospital de Bristol.

O jovem ficou com uma neuropatia ótica isquémica, uma patologia que pode ter várias causas, entre as quais a hipertensão arterial ou a diabetes, condições que o rapaz provavelmente desenvolveu devido à dieta baseada em comida processada. Os danos causados nas fibras óticas apontam para uma cegueira permanente.

A mãe explicou que a pobre dieta do filho nunca a preocupou muito até porque o rapaz era aparentemente saudável, uma vez que nem sequer tinha apetência para engordar.

Os irmãos dele nunca rejeitaram comida. Comem de tudo. Ele sempre foi magro, então não tínhamos preocupações relacionadas com o peso. Ouvimos os relatos sobre 'fast food' e obesidade a toda a hora, mas ele era magro", conta a mãe.

A preocupação tornou-se verdadeira quando, aos 14 anos, o jovem perdeu, quase em simultâneo, a visão e a audição, o que o prejudica desde então, nomeadamente a nível profissional e social: "Ele adorava ter um emprego, mas não tem sido capaz de encontrar nada que possa fazer", admitiu a mãe.

Eu tive de desistir do meu trabalho num bar. Agora cuido dele a tempo inteiro. Ele está a tomar suplementos vitamínicos, mas a dieta continua a mesma", acrescentou.

Ainda aos 14 anos, o rapaz foi diagnosticado com deficiência de vitamina B12 e foi colocado com suplementos, mas o tratamento não durou e a dieta não melhorou. 

A família acabou por aceitar publicar o caso na publicação científica Annals of Internal Medicineque reafirma que é conhecido do público que existe uma ligação entre fast food e doenças cardiovasculares, obesidade e cancro, relembrando que nem toda a gente está avisada para os perigos da malnutrição no sistema nervoso, sobretudo em doenças relacionadas com a visão.