Os Estados Unidos autorizaram sexta-feira a vacina da Pfizer contra a covid-19 para crianças entre os cinco e os onze anos, abrindo caminho a uma nova etapa de imunização que vai abranger 28 milhões de crianças no país.

A autorização de emergência da agência do medicamento norte-americana (FDA) foi concedida após uma análise cuidadosa dos resultados dos testes clínico conduzidos pela Pfizer em vários milhares de crianças, referiu a organização.

Como mãe e médica sei que pais, cuidadores, professores e crianças aguardam esta autorização com impaciência. A vacinação de crianças contra a covid-19 é um passo suplementar rumo à normalidade”, disse a comissária interina da FDA, Janet Woodcock, em comunicado.

Na terça-feira, um painel de especialistas independentes tinha reunido e, após um dia de debate, manifestou-se a favor da imunização de crianças entre os cinco e os onze anos com a vacina da Pfizer.

De acordo com os ensaios clínicos, a vacina demonstrou uma eficácia de 90,7% na prevenção de formas sintomáticas da doença nessa faixa etária.

No entanto, um painel de especialistas do Centro de Prevenção e Controlo de doenças, que se reúne no início da próxima semana, terá ainda de emitir o seu parecer e publicar as suas recomendações, o que constitui a última etapa do processo.

A dosagem da vacina foi ajustada para 10 microgramas por injeção (duas, administradas com um intervalo de três semanas), um terço da dose que tem sido inoculada aos adultos.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) também está a analisar um pedido de autorização da vacina da Pfizer para a mesma faixa etária que foi aprovada pela FDA.

/ AG