Testes genéticos confirmaram que uma tartaruga gigante encontrada nas Ilhas Galápagos é de uma espécie que os cientistas julgavam ter sido extinta há um século.

O espécime fêmea foi descoberto em 2019, na ilha Fernandina, e os especialistas passaram um longo processo de comparação com os restos de um macho da espécie Chelonoidis phantasticus. O último avistamento deste animal tinha sido em 1906, e agora está provada uma ligação.

O avistamento da tartaruga em 2019 foi feito por cientistas da Academia de Ciências da Califórnia, que viajaram para o arquipélago para realizar um estudo sobre a fauna e flora ali existentes.

Através de amostras retiradas do macho encontrado, e que foram levadas para a Universidade de Yale, foi possível provar a ligação à tartaruga encontrada em 2019, que é conhecida como a tartaruga gigante da Fernandina.

No Equador, país a que pertencem as Galápagos, a notícia foi recebida em festa, e até o ministro do Ambiente se regozijou com a descoberta.

Pensávamos que se estivessem extinguido há mais de 100 anos. A esperança está viva", escreveu Gustavo Manrique na rede social Twitter.

Estima-se que a tartaruga encontrada tenha à volta de 100 anos, e os cientistas colocaram-na num centro de reprodução na ilha de Santa Cruz.

Depois desta descoberta, e após uma análise mais detalhada à ilha, os especialistas acreditam ter encontrado vestígios, como pegadas, que podem indicar a presença de mais animais da espécie.

António Guimarães