O número de candidaturas a financiamento público de projectos de investigação científica na área da matemática disparou em 2008, em comparação com o último concurso, realizado em 2006.

Segundo dados divulgados à Lusa pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), foram recebidas mais 19,66 por cento de candidaturas em todos os domínios, a maioria em Ciências da Saúde.

Já protagonistas no concurso anterior, os projectos nesta área cresceram 23,34 por cento em dois anos, de 694 para 856, a que correspondeu um aumento de 31,24 por cento no financiamento pedido, de 102,4 para 134,4 milhões de euros.

Mas o aumento relativo mais significativo ocorreu na Matemática, cujo número de candidaturas quase duplicou, de 54 para 105, e a que correspondeu uma subida recorde de 131,26 por cento no financiamento solicitado, de 4,2 para 9,8 milhões de euros.

A seguir a Matemática, as áreas com maiores aumentos de candidaturas foram os Estudos Artísticos (93,18 por cento), Ciências do Desporto (76,32 por cento), Arquitectura e Urbanismo (48,65 por cento) e Engenharia Biológica e Biotecnologia (46,94 por cento).

Quanto às subidas percentuais nos financiamentos pedidos, à Matemática seguem-se as Ciências do Desporto (115,52 por cento), Filosofia (86,78 por cento), Estudos Artísticos (62,05 por cento) e Engenharia Biológica e Biotecnologia (60,31 por cento).

No total, foram 5.728 as candidaturas lacradas apresentadas no concurso de 2008, o que representa um aumento de 19,66 por cento em relação às 4.787 de 2006, e corresponde a uma subida de 25,21 por cento de financiamento solicitado, de 663,2 para 830,4 milhões de euros.

A seguir às Ciências da Saúde, as áreas com mais candidaturas foram as Ciências Agronómicas e Florestais, com 19,28 por cento de aumento, Química e Bioquímica (43,19 por cento), Ambiente e Alterações Climáticas (14,23 por cento) e Engenharia Informática (18,34 por cento).