O Facebook introduziu uma nova medida para impedir que imagens pornográficas publicadas por vingança, sem o consentimento das pessoas retratadas, se tornem virais nas redes sociais. 

A empresa tecnológica anunciou esta quarta-feira que está a fazer com que a publicação e partilha destas imagens, uma vez identificadas como "pornografia de vingança", não seja possível. 

Estamos constantemente a tentar melhorar as ferramentas que oferecemos e, para nós, foi evidente que este era um grave problema em muitas regiões”, disse à BBC o responsável pela segurança do Facebook, Antigone Davis.

Para já, isto aplica-se ao Facebook, ao Messenger e ao Instagram, ficando o Whatsapp ainda de fora. 

Muitos ativistas já aplaudiram a notícia. Laura Higgins, fundadora de uma linha de apoio britânica para pessoas visadas por este tipo de conteúdos, sublinhou, em declarações à BBC, que se trata de "um grande passo em frente".

É um grande passo em frente. Muitas vezes essas imagens são publicadas nas redes sociais no contexto de uma situação doméstica em que alguém que atingir pessoas de quem gosta."

 

Como é que funciona?

Primeiro, os utilizadores têm de denunciar as imagens. Depois, uma equipa do Facebook vai analisar os conteúdos tendo em conta uma série de fatores como, por exemplo, se se tratam de imagens de natureza sexual ou se retratam as pessoas que fizeram as denúncias.

Quando o Facebook conclui que se trata de um caso de pornografia por vingança, a imagem é removida e a conta que a publicou é bloqueada. 

E depois, através de um software de reconhecimento, é acionado um mecanismo automático que impede a publicação ou partilha dessa imagem novamente, sem que seja necessária a intervenção humana..

/ MC