"Todos os agentes, públicos e privados, terão de fazer esforços através de uma maior cooperação entre os Estados membros e com a aplicação de regras de segurança mais sólidas", afirmou o chefe do executivo do Luxemburgo, país que preside a UE ao longo do semestre em curso.












 

"Se queremos que as pessoas e as empresas utilizem e obtenham o melhor dos serviços digitais necessitam de confiar na ideia de que os sítios são seguros em caso de ataque ou avaria", frisou o vice-presidente da CE para o Mercado Único Digital, Andrus Ansip.