Investigadores internacionais, alguns dos quais da Universidade de Barcelona (UB), descobriram que um complexo enzimático designado piruvato desidrogenase (PDH) serve como travão à proliferação de células cancerígenas, informou esta terça-feira a UB em comunicado.

O estudo, publicado na revista Nature, descreve o papel do PDH perante o gene BRAF, que usualmente aparece com mutações no melanoma e em outros cancros.

O PDH intervém no processo de senescência (envelhecimento) celular, um «mecanismo de defesa» induzido por um gene em que a célula «deixa de dividir-se e se mantém num estado pré-maligno», explicou a professora catedrática Marta Cascante.

«Quando o travão não funciona corretamente, ocorre a transformação maligna e pode aparecer um tumor», assinalou Cascante.

A cientista destacou a importância da identificação dos mecanismos que regulam aquela fase do processo «para evitar ou reverter a formação do tumor e definir novas estratégias terapêuticas».

No estudo participaram também cientistas do Instituto Beatson para a Investigação do Cancro (Escócia) e do Instituto do Cancro holandês.
Redação / CM