A empresa Facebook, fundada por Mark Zuckerberg, mudou de nome para “Meta” e a internet já reagiu com fotografias, montagens, vídeos e muita criatividade.

Segundo o fundador, o nome foi inspirado no alfabeto grego e na palavra "meta", que significa "além". 

"A única meta que reconhecemos", escreveu o autor Mitchell Clark, referindo-se ao ex- jogador de NBA, Meta World Peace (anteriormente conhecido como Ron Artest).

"Parem de tentar fazer o 'Meta' acontecer", pediu o produtor Adam Lance Garcia, usando uma fotografia de Regina George (interpretada por Rachel McAdams) no filme "Mean Girls" (Giras e Terríveis).

O cientista Matt Blaze foi mais longe e fez uma referência às técnicas da CIA para extrair informações dos suspeitos de terrorismo, depois dos ataques de 11 de setembro: "renomear o Facebook de Meta resolve o mesmo tipo de problemas que renomear a 'tortura' de 'interrogatório aprimorado'".

Também outras empresas aderiram ao movimento de "rebranding", como é o caso do restaurante de fast food Wendy.

Mudei o nome para Meat [carne]", anunciou.

 

Entre resolver os problemas da empresa e o mudar o seu nome, Mark Zuckerberg preferiu mudar o nome do Facebook.

Mark Zuckerberg anuncia entusiasmado a mudança vs a reação dos utilizadores a verem a mudança:

Em português, também foram feitos vários trocadilhos com a palavra "meta", desde os mais engraçados aos mais ousados.

Esta mudança faz parte de uma estratégia de "rebranding" para enfatizar o desenvolvimento do mundo virtual e não se aplica às plataformas individuais. Ou seja, aplicações como o Facebook, Instagram e Whatsapp vão manter o mesmo nome. Apenas muda o da empresa-mãe que as detém.

As aplicações Facebook, Instagram, Messenger e WhatsApp não irão, no entanto, mudar de nome, assim como a estrutura corporativa da empresa também não irá sofrer alterações

Redação / IC