A poluição causada pelo plástico nos oceanos afeta as bactérias que produzem cerca de 10% do oxigénio que respiramos. A conclusão consta num novo estudo agora divulgado.

De acordo com esta investigação, os químicos libertados pelo plástico interferem com o crescimento de prochlorococcus, as cianobactérias mais abundantes nos oceanos, que são fundamentais para as cadeias alimentares marinhas.

Este estudo revela um novo perigo originado pela poluição de plástico”, sublinhou Lisa Moore, uma da autoras do estudo ao jornal The Independent.

A investigação foi realizada por cientistas da Universidade Macquarie, em Sidney, na Austrália.

Conhecem-se os riscos que correm os animais nos oceanos ao ingerirem plásticos ou apenas ao cruzarem-se com estes materiais, mas esta é a primeira vez que são analisados os efeitos deste tipo de poluição no crescimento de prochlorococcus.

Estes novos dados mostram que a poluição de plástico pode ter impactos generalizados sobre os ecossistemas, além dos efeitos já conhecidos sobre organismos como as tartarugas e as aves”, explicou Sasha Tetu, o coordenador do estudo ao mesmo jornal.

Embora estimem que só em algumas décadas o plástico deverá começar a afetar as populações destas prochlorococcus a uma escala global, os cientistas deixam o aviso:

Se o problema do plástico não for combatido, as populações de prochlorococcus podem diminuir em vários locais, o que, por sua vez, pode afetar organismos que dependem destas bactérias para se alimentarem.”