A ilha de Henderson pertence ao grupo das ilhas Pitcairn, é desabitada e uma das mais remotas do Oceano Pacífico. Mas nem o fato de estar longe da civilização a protege da poluição. Cientistas marinhos, da Universidade da Tasmânia, contabilizaram o lixo encontrado na ilha e os números são assustadores: 18 toneladas de plástico, 38 milhões de detritos.

Na verdade, segundo o jornal  britânico The Guardian, a ilha de Henderson tem a maior densidade de detritos antropogénicos do mundo. Ou seja, apesar de ser um dos lugares mais remotos do mundo é também um dos mais poluídos. E o que significa lixo antropogénico? É todo aquele que é derivado das atividades e ações humanas.

Os cientistas garantem que 99.8% do lixo que encontraram é “plástico” e as 18 toneladas são a prova da catastrófica poluição do plástico nos mares do mundo. Além dos investigadores da Universidade da Tâsmania, também cientistas britânicos da organização de luta pelo ambiente e vida selvagem, a Royal Society for the Protection of Birds, estiveram na ilha.

Todos os dias dão à costa 13 mil detritos e, na verdade, a maioria do lixo – cerca de 68% - está enterrado na areia.

 

Em declarações ao The Guardian, Jennifer Lavers da Universidade da Tâsmania, confessou que aquilo que encontrou a surpreendeu e superou as suas piores expetativas.

"Eu viajei por algumas das mais distantes ilhas do mundo e, independentemente de onde eu fui, o ano ou a área do oceano, a história é geralmente a mesma: as praias estão repletas de vestígios da atividade humana. Sempre pensei que o fato de ser uma ilha muito remota protegesse Henderson, mas estava completamente enganada. Fiquei sem palavras. Foi, por isso mesmo, que me dei a tanto trabalho para estudar e documentar ao detalhe este caso”

Jennifer Lavers encontrou dezenas de caranguejos e viver nos detritos como, por exemplo, tampas de garrafas, fracos de cosméticos e, até, na cabeça de uma boneca.

“Apesar de lhes termos dado uma casa, isto não é um benefício para eles”

A ilha de Henderson é a maior das quatros que fazem parte do grupo das ilhas Pitcairn e é um lugar classificado como Património Mundial da Unesco. Apesar da poluição é um dos poucos atóis do mundo cuja ecologia tem estado preservada dos seres humanos. 

Mas o drama da poluição de plástico que grassa nos oceanos é tão grave que não há locais completamente protegidos da ação humana. O trabalho desenvolvido na ilha de Henderson, por Jennifer Lavers e Alexander Bond foi publicado segunda-feira pela Academia Nacional de Ciências.