Vai ser possível comer frango sem matar uma única ave.

Uma empresa norte-americana do ramo alimentar anunciou que está a produzir esta carne de forma sustentável e sem sacrificar qualquer vida animal, através da multiplicação, em laboratório, de células animais. Uma carne que assume muitas definições: "sintética", "celular" "in vitro", "cultivada em laboratório" ou "limpa".

Segundo a Just, citada pela BBC, são necessários dois dias para produzir, por exemplo, um nugget de frango, num pequeno reator biológico, em que é usada uma proteína para estimular a multiplicação das células. Apesar de processada em laboratório, a empresa garante que não se trata de carne geneticamente modificada, além de não necessitar de antibióticos para que se desenvolva mais rápido.

A Just pretende colocar esta carne no mercado o mais breve possível, depois de um longo processo de investigação, que foi divulgado em junho do ano passado. E não apenas no mercado norte-americano, uma vez que foram estabelecidos contactos com companhias do ramo alimentar na América do Sul, Sudeste Asiático e Europa, de modo a alcançar a produção em massa e assim baixar os custos.

Há vários países na Ásia e na Europa com os quais estamos a conversar", assumiu o CEO da empresa. 

E Josh Tetrick garante que os resultados são surpreendentes.

Nós já provámos e os resultados são impressionantes. A pele era crocante e a carne saborosa, embora a textura fosse mais macia do que a de um 'nugget' que é vendido em cadeias de 'fast food'”, afirmou Josh Tetrick.

Mas mesmo que a Just consiga fabricar nuggets em grande escala, dificilmente conseguirá fazê-lo no mercado nacional, tendo em conta que as autoridades ainda não chegaram a acordo sobre como agir perante esta novidade.

Isto porque a maioria dos alimentos no país está sob a alçada da Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA na sigla original), mas a carne, por exemplo, é controlada pelo Departamento de Agricultura.

Por isso, o presidente da Just lamenta a "falta de clareza" no que respeita à regulamentação nos Estados Unidos.

Mas a Just não é a única empresa a apostar nesta carne tecnológica, que está a atrair investidores de peso, como os multimilionários Bill Gates e Richard Branson, que investiram numa outra companhia, de tecnologia alimentar, a Memphis Meat.