A pandemia mundial causada pela Covid-19 veio acompanhada por um aumento exponencial de desinformação e notícias falsas, um fenómeno que se propaga, maioritariamente, nas redes sociais. 

De acordo com o site The Verge, o Twitter está a controlar todas as partilhas que contenham conteúdos enganosos e que ponham em risco a saúde dos utilizadores da rede social. No último mês, foram apagados 2.230 tweets

Reivindicações não verificadas que incitem as pessoas a agir, que possam levar à destruição ou à danificação de infraestruturas críticas ou a pânico generalizado, agitação social ou desordem em larga escala", são o tipo de publicações que deixa de ser tolerado pela nova política de segurança da rede social. 

Ainda assim, a empresa alerta que não vai apagar todos os tweets, e apela aos utilizadores que façam publicações com sentido de responsabilidade.

Também a Facebook, GoogleLinkedIn, MicrosoftReddit e YouTube prometeram combater a desinformação relacionada com o novo coronavírus. 

Estamos a ajudar milhões de pessoas a permanecer conectadas e, ao mesmo tempo, a combater a fraude e a desinformação sobre o vírus, a elevar o conteúdo autorizado nas nossas plataformas e a partilhar atualizações críticas em coordenação com agências governamentais de saúde de todo o mundo. Convidamos outras empresas a juntarem-se a nós, enquanto trabalhamos para manter as nossas comunidades saudáveis ​​e seguras. ”, escreveram os representantes das sete redes sociais, num comunicado conjunto. 

 

Desde o dia 16 de março que as empresas têm estado mais atentas à luta contra as informações falsas, mas também contra fraudes e abusos relacionados com curas para a Covid-19 sem suporte científico. 

Carolina Brás