Os órgãos genitais masculinos estão a encolher e os genitais a registar malformações por causa dos níveis atuais de poluição, alertou uma cientista ambiental num novo livro que detalha os desafios enfrentados pela reprodução humana. 

Shanna Swan escreve que a humanidade está a enfrentar uma "crise existencial" nas taxas de fertilidade por causa da ação dos ftalatos, um produto químico usado na fabricação de plásticos que causa impacto no sistema endócrino produtor de hormonas.

Como resultado desta poluição, um número crescente de bebés está a nascer com pénis pequenos, escreve Swan. 

No seu livro, intitulado Count Down - Contagem Decrescente, numa tradução literal - , Swan examina “como o nosso mundo moderno está a ameaçar a contagem de espermatozóides, alterando o desenvolvimento reprodutivo masculino e feminino e colocando em risco o futuro da raça humana".

A investigação de Swan começou após ter examinado um caso de síndrome do ftalato, algo observado em ratos. Juntamente com uma equipa de cientistas, a especialista verificou que, quando os fetos eram expostos à substância química, nasciam com órgãos genitais encolhidos.

Na mesma linha, Swan descobriu que os bebés humanos do sexo masculino, que foram expostos aos ftalatos no útero, tinham uma distância anogenital mais curta - algo que se correlacionou com o volume do pénis.

Este produto químico é amplamente utilizado na fabricação de plásticos mais flexíveis, mas Swan refere que os ftalatos estão a ser transmitidos para brinquedos e alimentos e, consequentemente, prejudicando o desenvolvimento humano.

Os ftalatos imitam o estrogénio e, portanto, interrompem a produção natural de hormonas no corpo humano. Algo que os investigadores relacionaram à interferência no desenvolvimento sexual em bebés.

Shanna Swann, que é professora de medicina ambiental e saúde pública no Hospital Mount Sinai na cidade de Nova Iorque, baseou o trabalho numa série de estudos verificados ​​por pares.

Um estudo publicado em 2017 descobriu que os níveis de esperma entre os homens nos países ocidentais caíram mais de 50% nas últimas quatro décadas.

A especialista acredita que a rápida diminuição da taxa de fertilidade significa que a maioria dos homens será incapaz de produzir espermatozóides viáveis ​​em 2045.