A Glovo considerou, esta sexta-feira, que os limites impostos pelo Governo às comissões e taxas cobradas por plataformas de entregas de refeições ao domicílio terão um impacto negativo na viabilidade dos serviços e também nos restaurantes, estafetas e clientes.

“As apps'[aplicações] de entrega como a Glovo permitem aos restaurantes montarem e operarem um serviço de 'delivery' em apenas alguns dias", defende a Glovo numa nota enviada à Lusa, acrescentando que a taxa "inclui a tecnologia e o serviço ao cliente proporcionados pela plataforma, mas é destinado, principalmente, ao pagamento do estafeta".

Por isso, continua a Glovo, "limitar em 20% a taxa impacta profundamente a viabilidade dos serviços de entrega e, portanto, terá também um impacto negativo para os restaurantes, para os estafetas e para os clientes".

A empresa sublinha, no entanto, que está "fortemente empenhada em continuar nas cidades portuguesas" e que espera trabalhar com o Governo "para encontrar novas soluções para fazer face à situação atual.”

No âmbito das novas medidas de confinamento geral, a vigorar desde dia 15 de janeiro, as comissões cobradas pelas plataformas aos restaurantes pela entrega de refeições ao domicílio são limitadas a 20% e as taxas de entrega não podem aumentar.

Na altura em que a medida foi conhecida, a Uber Eats reagiu considerando que os limites impostos às comissões cobradas por plataformas de entregas vão ter um efeito negativo para todos os que utilizam a aplicação.

As limitações impostas ao nosso modelo de negócio, incluindo à nossa taxa de serviço, vão forçar-nos a alterar a forma como operamos, prejudicando todos os que utilizam a nossa aplicação e que queremos apoiar”, afirmou fonte oficial da Uber Eats, em reação às limitações previstas ao abrigo do novo estado de emergência.

Na nota escrita enviada à agência Lusa, a Uber Eats sustentou que “estas medidas tornam o serviço menos acessível para os consumidores, o que limitará a procura dos restaurantes e consequentemente as oportunidades dos milhares de pessoas que fazem entregas com a aplicação”.

Garantindo que o seu “foco” é “aumentar o volume de negócios dos restaurantes e ajudar na sua adaptação ao ‘delivery’” (entrega ao domicílio), a plataforma sustentava que “apoiar o setor da restauração” durante a pandemia tem sido “uma das [suas] prioridades no último ano”.

Desde março de 2020 que investimos financeiramente num plano para ajudar os mais de 6.000 restaurantes e comerciantes - e os milhares de pessoas que dependem deles para trabalhar - continuando a garantir um serviço de entrega aos consumidores”, salientou.

Segundo a fonte, a Uber Eats iria “analisar as alterações necessárias, procurando minimizar o impacto negativo que esta alteração terá para todos neste novo confinamento”.

/ NM