A capacidade de alguns peixes restaurarem a retina e recuperarem a visão depois de grandes danos poderá ser aplicada nos seres humanos, já que as nossas retinas são basicamente semelhantes.

Cientistas da universidade norte-americana Vanderbilt, num estudo agora publicado na revista especializada Stem Cell Reports, revelam ter identificado um sinal cerebral como o que desencadeia o processo de autorregeneração da retina no peixe-zebra.

Esse neurotransmissor, designado por GABA, costuma inibir a transmissão de impulsos nervosos, o que tem um efeito calmante no cérebro.

Os cientistas querem agora prosseguir os estudos e afirmam que a sua descoberta abre a possibilidade de se induzir nas retinas humanas a capacidade de se regenerarem, o que poderia reparar danos causados por doenças degenerativas e traumas.

A opinião que tem prevalecido é que o processo de regeneração na retina dos peixes é desencadeado por fatores de crescimento segregados pelo animal. Mas os nossos resultados indicam que o neurotransmissor GABA pode ser o iniciador do processo", afirmou o biólogo James Patton, principal autor do estudo.

O investigador acrescentou que o neurotransmissor consegue iniciar a reparação mesmo que não haja danos efetivos na retina.

A estrutura da retina dos peixes e dos mamíferos é essencialmente igual: numa espessura de 0,5 milímetros encontram-se células que detetam a luz, outras que assimilam a informação e outras que a enviam para o cérebro.

James Patton apontou que os níveis do neurotransmissor GABA são ainda centrais na regeneração de células do pâncreas e do hipocampo, o centro da memória do cérebro.