O consumo de batidos de proteína e outros suplementos ricos nestes aminoácidos, muitas vezes na dieta daqueles que querem ganhar músculo e tonificar o corpo, pode estar a levar as pessoas no caminho errado. Um estudo de uma universidade australiana mostrou que o excessivo consumo de proteína, em detrimento de outros componentes, pode levar mesmo à obesidade e perda de qualidade de vida.

Os aminoácidos, as partículas que compõem as proteínas, são essenciais para todos os seres vivos e são uma importante ajuda para quem quer fortalecer o corpo. Contudo, resultados da universidade de Sydney, na Austrália, vieram trazer à superfície alguns dos efeitos negativos das dietas ricas em proteína.

As conclusões da investigação, publicadas na revista especializada Nature Metabolism, mostram que o consumo exagerado de BCAAs, os aminoácidos de cadeia ramificada – um componente muito presente nos batidos, barritas e outros suplementos para ganhar massa – pode resultar em excesso de peso, mudanças de humor e ainda diminuição da esperança média de vida.

No que diz respeito à nutrição e alimentação, os especialistas alertam que o mais importante a ter em conta é a variedade e a moderação. Esclarecem os autores do estudo que o equilíbrio se consegue através da combinação de várias fontes de proteína para garantir variedade de aminoácidos essenciais.

Os investigadores alimentaram grupos de ratos com dietas de diferentes porções de BCAAs. Alguns ratos consumiram o dobro do habitual, outros o normal, alguns metade e ainda houve aqueles que só consumiram um quinto. Mostraram os resultados, depois de analisados, que aqueles que foram alimentados com excesso de proteína passaram a sofrer de obesidade e foram avaliados como tendo reduzido significativamente a esperança de vida.

Os BCAAs estão presentes em grande percentagem nas carnes vermelhas e nos laticínios, mas também podem ser encontrados nas aves, peixe e ovos. Mesmo os vegetarianos conseguem elevados níveis de proteína nas leguminosas como feijão e lentilhas, nozes e soja. É, aliás, nestas fontes naturais que se consegue uma maior variedade de aminoácidos, essenciais para o saudável crescimento de músculo.

Ao mesmo tempo que as dietas ricas em proteína e pobres em hidratos de carbono mostraram ter benefícios no sistema reprodutor, também têm efeitos negativos na saúde a longo prazo, levando a uma diminuição da esperança média de vida”, assegura a especialista em nutrição e metabolismo Samantha Solon-Biet, da universidade de Sydney.

Os autores sublinham que a experiência foi realizada em ratos, com quantidades exageradas de consumo de proteína para a obtenção de resultados e efeitos. Contudo, a pesquisa conclui que a suplementação de BCAAs pode resultar na falta de outros aminoácidos essenciais, como o triptofano no cérebro. O défice deste componente está associado a vários problemas relacionados com o humor e a saúde em geral.

O que este estudo nos mostra é que o balanço de aminoácidos é fulcral – é importante variar as fontes de proteína para garantir que se consegue o melhor equilíbrio de aminoácidos”, destaca a equipa de investigação.

Stephen Simpson, diretor académico do centro de investigação Charles Perkins, também envolvido no estudo, relaciona os efeitos no humor com o excesso de apetite, que leva consequentemente ao excesso de peso.

O triptofano está ligado à serotonina, que é frequentemente chamada de “produto químico da felicidade” por causa dos efeitos no estado de humor e o seu papel na qualidade do sono, mas a serotonina faz mais que isso e esse é o problema. A quebra de níveis de serotonina no cérebro pode levar ao aumento do apetite. O decréscimo de níveis de serotonina causado pelo excesso de BCAAs consumidos levou os ratos a comerem de forma massiva, tornando-os obesos e com vidas mais curtas”, explicou o especialista.