A Comissão Europeia avançou esta quarta-feira que espera que as primeiras doses de vacina contra a Covid-19 cheguem em abril de 2021, mas enquanto a imunidade ao novo coronavírus ainda não é uma realidade eficiente, a comunidade científica tem um novo alvo: travar os eventos de transmissão em massa.

Estes eventos surgem quando um infetado contagia várias pessoas e há um factor chave para entender estas situações, chama-se o número K.

O que é o Número K?

Durante a pandemia, o maior foco para a análise da transmissão comunitária do novo coronavírus tem sido o número de reprodução básico, conhecido também como R0 - que em Portugal se situa no 0,96. Este valor indica o número de outras pessoas que uma pessoa infetada irá contagiar.

Porém, a comunidade científica tem destacado que nem todos os portadores do vírus o transmitem ao mesmo número de pessoas. Tudo depende das medidas de isolamento, quarentena e distanciamento social.

É neste patamar que o número K se revela útil, já que mede a diferença entre o número de pessoas contagiadas por uma pessoa infetada.

Segundo o Instituto de Higiene e Medicina Tropical de Londres, o número K dá ênfase às variações por trás dos valores do R0. Nessa linha, explica o epidemiologista Adam Kucharski, o número K é o valor estatístico que “nos diz a quantidade de variações na distribuição de casos”.
 

Porém, ao contrário do valor do R0, o valor do K não é tão intuitivo. “A regra geral é que se o valor do K for reduzido, há um maior número de contágios provocados por um grupo pequeno de infetados”, afirma o especialista.

Se o valor do K estiver entre os cinco e os dez significa que a maior parte da população infetada está a gerar poucos casos de infeções secundárias. No outro lado do espectro, com o K abaixo de um, existem condições para um evento super contagiador.

Tal como acontece com a taxa de transmissão, existe um valor K que se relaciona com a transmissão quando não existem quaisquer medidas de controlo em vigor. 

Uma vez que as medidas são implementadas, no entanto, a distribuição na transmissão muda.

É improvável que, com as medidas de restrição em vigor, vejamos muitos eventos de super contágio. Simplesmente, porque não há oportunidades para isso”, afirma o epidemiologista em entrevista ao jornal The Guardian.

 

Valor do K para o novo coronavírus

Na ausência de medidas de saúde pública, os valores para a covid-19 situam-se entre os 0.1 e 0.5. O que significa que, nas primeiras fases de um surto, cerca de 10 a 20% das infeções provavelmente geram 80% de toda a transmissão.

Segundo o Instituto de Higiene e Medicina Tropical de Londres, uma constante análise dos valores do K pode ajudar os governos num momento de alívio das restrições para controlar a pandemia.

Um valor baixo de K também pode ajudar a facilitar a identificação de novas infeções, uma vez que o número sugere que a maioria dos novos casos será causada por um pequeno número de indivíduos.