As sondas espaciais europeias Solar Orbiter e BepiColombo, ambas com tecnologia e ciência portuguesas, vão passar perto de Vénus em 9 e 10 de agosto, respetivamente, anunciou esta segunda-feira a Agência Espacial Europeia (ESA).

A passagem por Vénus é uma manobra necessária para que ambas as sondas possam chegar ao seu destino.

A Solar Orbiter, lançada em fevereiro de 2020, é um veículo espacial de observação do Sol, que envolve uma parceria entre a ESA e a congénere norte-americana NASA.

A BepiColombo, que, em bom rigor, é composta por duas sondas, enviadas para o espaço num módulo em outubro de 2018, visa explorar Mercúrio, numa missão conjunta entre a ESA e a congénere japonesa Jaxa.

Segundo um comunicado da ESA, a passagem das sondas por Vénus “oferece uma oportunidade sem precedentes de estudar o ambiente de Vénus de diferentes localizações ao mesmo tempo e, além disso, em localizações que não são tipicamente visitadas por um orbitador planetário”.

A maior aproximação da Solar Orbiter – projetada para produzir as primeiras imagens dos polos do Sol – a Vénus será às 05h42 (hora de Lisboa) de 9 de agosto, a 7.995 quilómetros de altitude, enquanto a aproximação máxima da BepiColombo será às 14h48 de 10 de agosto, a 550 quilómetros.

Não será possível obter imagens de alta resolução de Vénus, apenas fotografias a preto e branco tiradas por duas das três câmaras do módulo da BepiColombo. Espera-se que a primeira imagem esteja disponível em 10 de agosto e a maioria das restantes no dia seguinte.

De acordo com a ESA, pode haver ainda esta semana uma oportunidade para a Solar Orbiter observar o lado noturno de Vénus.

A Agência Espacial Europeia espera, ainda, que os dados recolhidos pela passagem da Solar Orbiter e da BepiColombo por Vénus possam fornecer informações úteis à missão da sonda EnVision, que será lançada em 2030 para estudar a atmosfera do planeta.

Agência Lusa / CE