Um grupo de psicólogos do Instituto Karolinska, em Estocolmo, na Suécia, uma das maiores faculdades de medicina da Europa, realizou um estudo sobre os efeitos da privação de sono. Além das pessoas que dormem pouco “serem menos atrativas”, os especialistas garantem que “o ar cansado” também afeta a vida social, escreve o jornal britânico The Guardian

De acordo com os dados recolhidos, e agora divulgados, as pessoas que dormem pouco são menos atrativas, têm uma saúde mais pobre e menos vida social. Ou seja, grande parte das pessoas não gosta de estar com aqueles que parecem “cansados”. 

Quando alguém parece menos saudável é mais provável que os outros se afastem”, afirma Tina Sundelin, uma das investigadoras ligadas ao estudo que, no entanto, ressalva “que esse efeito sozinho não explica o facto de os outros não quererem socializar. É um dos fatores, mas não representa a história toda”.

Nos últimos anos, diversas investigações identificaram boas razões para evitarmos a privação do sono, Seja porque ficamos menos otimistas, menos sociáveis, sentimos menos empatia. Seja porque temos menos capacidade de compreensão, de expressar sentimentos e estamos mais suscetíveis a acidentes. Ou, ainda, por ficarmos mais irritáveis.

“Quando percebemos que alguém não dormiu, ficamos com a ideia que talvez ‘aquela’ pessoa não seja a melhor para estarmos”, assume Tina Sundelin ao The Guardian.

Todavia, os investigadores, destacam que deixar as pessoas sozinhas pode ser, precisamente, o que quem tem privação de sono precisa para recuperar.

O trabalho publicado na revista da Royal Society explica como foi desenvolvido o estudo. 25 pessoas foram fotografadas após terem dormido duas noites de sono normais e, depois, foram fotografadas após duas noites com apenas quatro horas de sono. As imagens foram depois mostradas a 122 participantes que as classificaram considerando: atratividade, ar saudável, sono e confiabilidade.

As duas noites mal dormidas revelaram pouco efeito ao nível da confiabilidade, mas os valores aumentam quando os participantes os consideraram: menos atrativos, menos saudáveis e com um ar sonolento. O estudo concluiu ainda que apesar de duas noites mal dormidas, a vida social apenas tinha baixado 4% e que, na verdade, era mais importante o “quão cansada” a pessoas parecia. Aqui 20 a 30% preferia não sociabilizar com quem tinha o ar mais cansado.

Quem quer sair e passar bons momentos, pode não ser tão divertido quando a pessoa ao nosso lado parece ter muito sono”, afirma John Axelsson o investigador principal do estudo. “A privação de sono tem um grande impacto na forma como os outros nos julgam, por isso, talvez não seja uma má ideia dar alguma prioridade a isso”, defende o mesmo especialista.