Um astrónomo amador japonês testemunhou o resultado da explosão de uma estrela a cerca de 10.000 anos-luz da Terra, na região da constelação de Cassiopeia. O brilho ainda é visível no céu noturno e quem está no Hemisfério Norte e tem um telescópio básico consegue testemunhar o fenómeno.

A primeira deteção foi feita a 18 de março de 2021. Para isso, Yuji Nakamura utilizou um telescópio com lentes de 135 milímetros e uma exposição de 15 segundos e conseguiu registar um brilho de magnitude 9,6, onde dias antes simplesmente não existia nada.

Segundo noticia a NT, Yuji Nakamura comunicou a descoberta ao Observatório Astronómico Nacional do Japão (NAOJ, na sigla em inglês), que utilizou uma série de telescópios, que confirmaram que se tratava de uma nova clássica, agora chamada V1405 Cas.

Uma nova clássica é uma explosão nuclear na superfície de uma estrela anã branca, que faz parte de um par binário de estrelas que estão a envelhecer e a morrer. Este tipo de explosões normalmente duram cerca de 12 horas.

O brilho da V1405 Cas deve durar vários dias, senão meses. E quem estiver no Hemisfério Norte e tiver um telescópio pode ver o resultado, eis como:

Ajuste o telescópio para as seguintes coordenadas: em ascensão reta 23 24 47,73, declinação +61 11 14,8. O brilho não estará muito longe da estrela Caph, em Cassiopeia.

Rafaela Laja