Várias centenas de pessoas relataram avistamentos de tigres da Tasmânia, no Norte de Queensland, na Austrália. Os cientistas estão a encarar os relatos com algum ceticismo, já que o último animal da espécie morreu em 1936, no zoológico de Hobart, na Tasmânia. Além disso, pensa-se que o animal, que tem algumas semelhanças com um cão, terá sido extinto há 2 mil anos no seu habitat natural, na Austrália continental.

Apesar do ceticismo, os investigadores estão a investigar os relatos e uma equipa da Universidade James Cook está no terreno, à procura do animal.

De acordo com o professor Bill Laurance, citado pelo The Telegraph, os investigadores estão a dar crédito especialmente aos relatos de duas pessoas que asseguram ter visto os animais na península de Cape York, dando descrições que os cientistas classificam de plausíveis de detalhadas.

Uma dessas pessoas foi funcionário do Parque Nacional de Queensland durante longos anos. O outro era um campista assíduo do Norte do estado.

Na maioria dos casos, há alguma inconsistência nos relatos, admitem os cientistas. Todos os avistamentos aconteceram à noite. “Num dos casos, foram avistados quatro animais a uma curta distância – cerca de 20 pés (pouco mais de seis metros) – com uma lanterna”, revela Bill Laurance.

A descrição de características como os olhos, o tamanho, a forma e o comportamento é consistente também com várias outras espécies existentes no Norte de Queensland, tal como dingos, cães selvagens ou mesmo porcos selvagens.

Além da precaução com que os cientistas estão a tratar a investigação, está a usar-se também de alguma confidencialidade.