Cientistas da Universidade de Sydney, Austrália, desenvolveram um novo chip que permite aumentar a velocidade da internet actual até 100 vezes. Segundo o site Globo.com, o projecto foi apresentado no início deste mês durante a Conferência de Opto-Electrónica e Comunicações, após quatro anos de pesquisa.

O coração do sistema é uma chave (switch) que consiste numa pequena ranhura feita num pedaço de vidro. A ranhura funciona como um circuito integrado, direccionando o tráfego de informações pela rede. Utilizando a chamada tecnologia de transmissão via fotões (partículas elementares da matéria que constituem a luz), a chave consegue aumentar a velocidade da passagem da informação por fibras ópticas.

A diferença em relação aos sistemas actuais, explica o pesquisador Ben Eggleton, citado pelo Globo, é que a chave precisa apenas de um picosegundo (0.000000000001 segundo) para ser activada. Num segundo, pode ligar e desligar, direccionando a informação, um trilião de vezes.

«Este sistema pode ser facilmente integrado à estrutura que já existe», afirma Eggleton, director do Centro de Equipamentos de Banda Ultra-larga para Sistemas Ópticos, ligado à Universidade de Sydney. «Para o consumidor, não há aumento de custo, mas a velocidade pode subir até cem vezes», adianta.

De acordo com Eggleton, o desenvolvimento de uma banda ultra-larga é obrigatório para a evolução da rede. «As pessoas vão começar a exigir gratificação instantânea. Quando clicarem num vídeo, vão querer começar a ver naquele momento, como se fosse televisão».

O chip desenvolvido na Austrália ainda está em fase de testes, e não há previsão de quando a tecnologia passará a ser utilizada comercialmente.
Redação / SM