O presidente da entidade reguladora das comunicações no Brasil (Anatel), Ronaldo Sardenberg, espera que «o assunto seja discutido em Outubro», adiantou aos jornalistas o presidente da Anatel, à margem de uma conferência da Anacom sobre «Regulação e Convergência».

Segundo a agência «Lusa», o regulador brasileiro admitiu que se está a verificar «um certo processo de concentração» no mercado móvel brasileiro, mas garantiu que «também existem indicações de que continua a haver competição».

A esse respeito, mencionou o recente leilão de frequências que permitirá a existência de quatro operadoras móveis a funcionar no Estado de São Paulo.

Ronaldo Sardenberg afirmou ainda que «há um grande debate no Brasil» sobre a criação de uma grande empresa de telecomunicações nacional, mas frisou que este conceito ainda não é «nítido», exemplificando poder tratar-se de uma empresa exclusivamente de capitais brasileiros ou de maioria de capital brasileiro.

O mesmo responsável reconheceu que «é possível que num contexto de muita concentração» uma empresa deste género possa trazer vantagens em termos de concorrência no mercado.

Frisou, contudo, que importa ter noção de que «este é um problemas das empresas», ou seja, não faz sentido os reguladores interfiram numa decisão deste género.