Figura: Tiago Tomás, pois claro

Num jogo sem grandes protagonistas, escolhemos o jogador que definiu o resultado final. Não só pelo golo, por sinal, o primeiro em jogos oficiais, mas pela profundidade que procurou dar à equipa, quer pela direita, quer pela zona central. Combinou bem com Porro sobre a direita, mas procurava depois diagonais para o interior da área, combinando também com Wendel e Jovane na zona central. Esteve muito perto de bisar no jogo, no início da segunda parte, com uma cabeçada, a cruzamento de Porro que passou a rasar a barra.

Momento: lance do golo

Foi o melhor lance de todo o desafio. Recuperação de bola ed Wendel, ainda no meio-campo do Aberdeen, passe de rutura para Vietto que, por sua vez, lançou Tiago Tomás para o interior da área. O jovem avançado, com uma boa receção, enquadrou-se de imediato com a baliza e, perante a saída de Joe Lewis, colocou-lhe a bola por cima. Oito minutos e os leões já tinham meio caminho andado para o play-off.

Outros destaques:

Wendel

Sem correr muito, foi dos jogadores mais ativos em campo. Cometeu um erro, logo a abrir o jogo, que proporcionou um contra-ataque ao Aberdeen, mas depois elevou o seu jogo para um nível de qualidade sem paralelo em campo, pelo menos ao longo da primeira parte. O brasileiro foi uma verdadeira plataforma de distribuição de jogo, abrindo para a direita ou para a esquerda ou servindo de intermediário nas mudanças de flanco. Foi determinante no lance que permitiu abrir o marcador, mas depois foi perdendo ritmo e velocidade, como toda a equipa.

Jovane Cabral

O Sporting jogou praticamente os noventa minutos reduzido a dez, uma vez que Jovane teve muito pouca influência no ataque, para não dizer que praticamente não se deu por ele. Começou a jogar na zona central, entre Tiago Tomás e Vietto onde nunca teve espaço para embalar. Depois procurou os flancos, mas também sem conseguir acrescentar nada ao que Nuno Mendes e Tiago Tomás já estavam a fazer bem. Já na ponta final do jogo, teve uma oportunidade soberana para deixar a sua marca no jogo, lançado por Sporar, mas chocou com o guarda-redes do Aberdeen. Uma exibição a rever por Rúben Amorim, pelo menos naquela posição.

Nuno Mendes

Mais um bom jogo do jovem lateral/extremo que voltou a ocupar praticamente todo o corredor esquerdo dos leões. Além disso, marcou todos os pontapés de canto, à direita e à esquerda.

McCrorie

Um escocês polivalente que encheu o campo, ora reforçando o eixo da defesa, ora subindo para o meio-campo e mesmo para o ataque. Foi uma peça solta, que foi procurando cobrir as muitas lacunas da equipa escocesa.

Ricardo Gouveia / Estádio de Alvalade