Emprestado pelo Benfica ao Wolverhampton, Raúl Jiménez está a atravessar uma das melhores fases da carreira. Com 14 golos (12 na Premier League), o avançado mexicano é o melhor marcador da equipa de Nuno Espírito Santo e não esconde a felicidade pela forma exibida nesta temporada.

«Se estou no meu melhor momento? Creio que sim. Felizmente, depois de quatro anos a lutar na Europa chegou o momento em que me é dada a confiança de ser um 'homem-golo' e o titular no ataque de uma equipa. Estou muito contente por isso e estou a aproveitar muito bem. No início fazia bons jogo, mas estava a faltar-me o golo. Agora estou a juntar tudo muito bem: bons jogos e golos, que é o melhor para um avançado. Estamos muito bem, tanto pessoal como coletivamente», disse em declarações à Radio Marca Claro.

«Amadureci muito nos quatro anos e meio que levo na Europa. Durante todos estes anos, tanto no Atlético Madrid como no Benfica, aprendi muitas coisas. No Atlético, a ser perseverante, a esperar pelas oportunidades e a nunca ir abaixo apesar de não ser convocado. No Benfica fui suplente na maior parte do tempo e quando começava a ser titular chegava uma lesão», recordou ainda.

Jiménez revelou que pretende continuar nos Wolves. «Gostaria que isso acontecesse, estou muito entusiasmado porque fez-se um grande projeto no Wolverhampton. Não é normal que uma equipa acabada de subir esteja a lutar por postos na Liga Europa.» 

É público que o clube inglês terá de pagar 38 milhões de euros se quiser assegurar a contratação do avançado mexicano a título definitivo. «É a cláusula que o Benfica pôs. Se alguma equipa me quiser, é isso que terá de pagar. É um assunto de números no qual eu não me meto. O que tenho de fazer é ir para o campo e fazer valer tudo isso.»