"Acho escandaloso que não haja coragem para tirar 15 dias de férias aos magistrados”

 

No seu habitual espaço de comentário, Miguel Sousa Tavares analisou as férias judiciais e questionou-se se faz sentido existir um período de interrupção completo quando “durante meio ano não houve justiça”.