Acordo do Eurogrupo: “É uma enormidade de dinheiro, mas é pouco”

 

Pedro Santos Guerreiro fez uma primeira leitura das consequências do acordo do Eurogrupo que libertará 500 mil milhões de euros para os países europeus fazerem face à crise pandémica. O comentador da TVI esclarece, no entanto, que, para aquilo que é preciso, “não é muito dinheiro”.

 

Santos Guerreiro afirma que o plano do Eurogrupo é bom, mas está longe de ser um espectáculo. Ainda assim, deixa algumas dúvidas e abre a porta à esperança por via da criação do fundo de revitalização económica para o futuro.

 

Sobre o valor acordado, o jornalista explica que está incluído o recurso ao fundo de estabilidade - 240 mil milhões de euros - a que Portugal pode recorrer a 4,6 mil milhões. Para lidar com problemas de natureza de saúde pública, o fundo não apresenta condicionalismos e não implicará austeridade. 

Sobre "Notícias"