África: a grande incógnita da pandemia?

 

Em “Estado da Emergência”, Paulo Portas fez uma leitura atenta dos impactos da Covid-19 em África e interrogou se o continente é o grande ponto de interrogação a nível geográfico e humano.

Neste continente “tão perto do coração dos portugueses”, Portas sublinha que África registou ainda apenas 10 mil contágios e 500 fatalidades. Este número, argumenta o comentador, deve-se aos fatores demográficos - a idade média em África é muito menor à da Europa - e aos fatores climáticos - “sabemos que o vírus tem dificuldades em sobreviver em temperaturas mais quentes”. 

A experiência anterior com o Ébola e uma menor exposição ao fluxo migratório também contam como fatores positivos, segundo Paulo Portas.

Paulo Portas afirmou ainda que, no caso concreto de Angola, o país beneficiou de uma estratégia baseada na herança militar do presidente: “O que é para fechar, fecha-se. O que é para fazer, faz-se”.

Sobre "Jornal das 8"