Agressão na Amadora: fita do tempo revela contradições

Na queixa que Cláudia Simões apresentou contra o agente da polícia na segunda-feira de manhã não consta nenhum pormenor sobre as alegadas agressões que diz ter sofrido dentro do carro-patrulha. A advogada da mulher afirma que o depoimento não ficou registado por iniciativa do agente que elaborou a ocorrência e já entregou uma adenda a esta queixa no DIAP, com a descrição completa dos factos.

Há ainda outros pormenores contraditórios, neste caso, como a hora a que os agentes acionaram o 112, que não bate certo com a hora a que os bombeiros receberam o alerta.

Sobre "Jornal da Uma"