António Costa: "Não foi necessário decretar a requisição civil"

O primeiro-ministro afirma que não foi necessário recorrer às forças de segurança para garantir o cumprimento de serviços. António Costa afirma que tudo corre com "enorme civismo e tranquilidade".