Arménio Carlos volta à Carris 35 anos depois. "Regresso como operário-chefe"

Sindicalista e ex-secretário-geral da CGTP optou por não se reformar depois de deixar a central sindical e voltou a ser operário-chefe na Carris. "Estive cá sempre para servir os trabalhadores", diz Arménio Carlos, frisando que pediu à administração da empresa para ocupar o lugar que lhe pertencia "sem privilégios".

Sobre "Diário da Manhã"