Azeredo Lopes diz que soube da chamada fabricada e não denunciou porque não tinha o dever funcional

O ex-ministro da Defesa, Azeredo Lopes admitiu esta segunda-feira na fase de instrução do processo sobre o furto de Tancos que recebeu uma chamada do chefe de gabinete em que este falou da recuperação das armas e teve conhecimento de uma chamada fabricada que denunciava que as armas estavam na Chamusca.

Sobre "Notícias"