Um dos arguidos voltou a prestar declarações ao Ministério Público para revelar que foi Bruno de Carvalho quem deu as ordens para subornar árbitros de andebol e ainda jogadores de futebol de equipas adversárias dos leões