Corte de 4 mil milhões é uma «questão acessória»

Para António Borges, o que é importante é fazer reformas de fundo