PSP explica detenção de sete elementos dos No Name Boys

A PSP explicou esta quinta-feira a operação que levou a cabo e em que foram detidos sete elementos dos «No Name Boys», claque não oficial do Benfica.

Em conferência de imprensa, o comissário da PSP Bruno Pereira disse que «esta investigação surgiu ao abrigo do combate e prevenção à violência no desporto e vem complementar ações levadas a cabo por suspeitos que integram esse grupo organizado de adeptos e que, num passado recente, praticaram fatos violentos, numa escalada declarada de violência.»

Entre os factos investigado há «agressões a agentes da autoridade ou entre adeptos, dentro dos recintos desportivos, ou fora deles, ou por causa do futebol».

«Estamos a falar de situações de agressões também praticadas contra adeptos que não são de clubes portugueses», disse a PSP, dizendo que houve «ações planeadas pelos suspeitos com situações de conhecimentos prévios junto de moradas, viaturas e rotinas que lhes permitiam orquestrar, com maior probabilidade de sucesso, agressões violentas a adeptos rivais com violência ao ponto de os deixar inanimados e em risco de vida.»

A investigação começou em maio de 2019 e foram agora detidas seis pessoas, com idades entre os 22 e 33 anos, ligados diretamente à investigação e outra, na quarta-feira à noite, «que foi detida colateralmente em flagrante delito com uma arma de fogo proibida e produto estupefaciente».

A PSP apreendeu «um revolver, várias munições, soqueiras, facas de diversa natureza, potes de fumo, alguns produzidos artesanalmente pelo próprio, proteções que lhes permitiram camuflar a sua identidade, e também uma série de outros artefactos ligados à sua ligação clubística e sprays usados para grafitar locais, colocando lá frases de intimidação e provocação.»

Em causa está «um crime de homicídio na forma tentada, três crimes de roubo, vários crimes de ofensa à integridade física qualificada quer contra agentes da autoridade, quer contra outras pessoas, com dimensões de perversidade que qualificam a agressão e crimes de furto», disse a PSP, dizendo que há «mais de duas dezenas de vítimas.»

«A violência no desporto preocupa de sobremaneira pelos efeitos altamente perversos e catastróficos que pode causar do ponto de vista de segurança a quem goste de ir aos estádios e que cada vez mais receiam que possam vir a ser atacados por estes grupos de adeptos. Isto foi o que espoletou a investigação», explicou a PSP, que adiantou que os detidos serão presentes na sexta-feira a tribunal.

A PSP disse ainda que estas ações criminosas tinham «uma dimensão organizativa que vai para além do que é normal» e explica que «estas foram ações planeadas, previamente orquestradas» e disse que «foram encontrados manuscritos com informação sobre jornalistas, pessoas com cargos de direção em clubes, comentadores de televisão, o que é bem demonstrativo dos impulsos que moviam estas ações.»

Há indícios de que estes detidos estejam ligados às agressões que ocorreram em maio no Lumiar, em Lisboa, a dois adeptos do Sporting. A PSP não avançou se há ligação ao ataque ao autocarro do Benfica, dizendo que esses factos estão sob investigação e admitiu que «é possível que possa haver mais detidos».