Ministério Público investiga CGD desde 2016 e ainda não há arguidos

O Ministério Público está a investigar a Caixa Geral De Depósitos desde setembro de 2016, e junta agora o resultado da auditoria entregue em julho. Ainda não foram constituídos arguidos no processo que está em segredo de justiça, mas o relatório da consultora revela que as maiores perdas para o banco público aconteceram em créditos feitos durante os mandatos de Santos Ferreira e Faria de Oliveira.